São Paulo, 15 de abril de 2019

Artigo: Trânsito mais seguro para todos

Projeto de lei visa proibir circulação de motos entre carros nas vias que sofreram redução de largura de faixas

O estado de São Paulo concentra 20,7% da frota de motocicletas do país. Isso corresponde a um número superior a 5,7 milhões de veículos. Somente na capital, são 1,2 milhão de motocicletas registradas.

Paralelo a isso, o número de acidentes fatais com motociclistas na cidade aumentou quase 18% entre 2017 e 2018, chegando a uma média de uma morte por dia. De acordo com o Infosiga, foram apontadas 366 mortes em 2018.

O número é altíssimo e pede medidas urgentes, de maneira a garantir maior segurança aos condutores de motos e, por consequência, o número de vítimas não continue em curva ascendente.

Por conta disso, protocolei na Câmara Municipal um projeto de lei que prevê a restrição da circulação de motocicletas entre veículos nas vias urbanas da cidade de São Paulo que sofreram redução de largura das faixas em função da utilização do conceito de Melhor Utilização do Leito Viário (MULV).

Tal conceito reduz faixas de rolamento de tráfego em vias com grande demanda de utilização, de modo a maximizar a capacidade do sistema viário local. Sendo assim, o espaço do corredor entre os carros se estreita consideravelmente, criando mais obstáculos para a passagem das motocicletas e oferecendo riscos para os condutores destes veículos e potencializando a ocorrência de brigas com os motoristas de automóveis.

Sabemos que medidas de segurança no trânsito podem ser extremamente impopulares no momento da implantação e que a adaptação pode ser lenta e ruidosa . Foi assim, por exemplo, quando foi instituído o uso do cinto de segurança na cidade. Porém, a médio e longo prazo são sentidas as melhorias que proporcionam, tornand0-se habituais no dia a dia.

Hoje, segundo o relatório anual de acidentes de trânsito da CET, os motociclistas podem ser considerados, junto com os pedestres, um grupo em situação de vulnerabilidade no trânsito, uma vez que representam 39% do total de óbitos no tráfego, e respondem ainda por 53% dos envolvidos em colisões fatais.

Por fim, cabe destacar que a medida não visa cercear os motociclistas, mas sim atuar em prol do bem estar e segurança destes no trânsito da capital. Trabalhar em prol da queda de percentuais tão desfavoráveis é dever do homem público e de toda a sociedade. Juntos, podemos reverter este quadro.

Tags:

[manual_related_posts]

Uma resposta Artigo: Trânsito mais seguro para todos

  1. Sebastião Ronildo Dantas disse:

    Boa tarde meu caro amigo!
    Acabei de ler sua matéria sobre trânsito
    Parabéns

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *